SES vai construir oito estações terrestres para seus satélites de órbita média

O3b mPOWER Satellite Rendition LATAM | Crédito: Divulgacao

SES vai construir oito estações terrestres iniciais de satélite para a constelação O3b mPOWER. A iniciativa será realizada a partir de acordos assinados com grandes fornecedores de serviços de infraestrutura em todo o mundo.

Nenhuma das estações será no Brasil, mas a empresa afirma que uma unidade por ser feita no país, a depender da demanda local pelos serviços O3b. “Analisamos vários aspectos, como o parceiro e as empresas com as quais trabalhamos; localização, histórico de parceria, infraestrutura, preços, conectividade com fibra, custos da fibra, entre outros. Todos esses são fatores que levamos em consideração ao fazer nossa escolha”, disse ao Tele.Síntese o vice-presidente executivo de Tecnologia e gerente do programa O3b mPOWER da SES, Stewart Sanders.

Essas primeiras estações terrestres estarão localizadas na Austrália (duas), Grécia, EUA, Chile, Emirados Árabes Unidos, Senegal e Havaí. Segundo a empresa, quatro dos oito sites serão co-localizados e operados através dos Data Centers Azure, da Microsoft.

“Embora não existam gateways para o Brasil anunciados no momento, alguns de nossos clientes demonstraram real interesse em ter seus próprios gateways O3b mPOWER. Assim que forem finalizados, falaremos sobre eles publicamente”, falou Sanders.

Ele deu detalhes técnicos. “Dependendo das requisições dos clientes de telecomunicações, os gateways podem ser tão grandes quanto os que estamos anunciando agora para telemetria, rastreamento e comando (TT&C), mas também podem ser menores, conforme as necessidades dos clientes. Não precisamos necessariamente ter sempre uma antena de 5,5 metros. Ela pode ser menor e incluir gateways móveis.”

Prazos

Essas estações terrestres de satélite de tecnologia avançada já começaram a ser construídas e entrarão em operação no segundo semestre deste ano. Os três primeiros satélites O3b mPOWER estão programados para serem lançados no terceiro trimestre deste ano, com os três seguintes lançados no primeiro trimestre de 2022. Após o posicionamento na órbita, o O3b mPOWER começará a fornecer serviços no terceiro trimestre de 2022.

Os oito locais fornecerão recursos de telemetria, rastreamento e controle para permitir o gerenciamento da constelação pela SES. Eles também serão utilizados para colocar os satélites na órbita correta após os lançamentos programados.

“Observe-se também que esses oito gateways O3b mPOWER iniciais são diferentes dos gateways de dados puros. Eles também se destinam a propósitos de TT&C. Isso significa que os gateways devem ser localizados estrategicamente, para que possamos manter o comando e o controle dos satélites O3b mPOWER”, apontou o vice-presidente da SES.

Próxima geração

O3b mPOWER é a próxima geração do sistema de Órbita Média Terrestre da SES (Medium Earth Orbit, MEO). Cada um dos 11 satélites dessa geração fornecerá serviços de conectividade de alta velocidade de dezenas de megabits e de vários gigabits por segundo, fornecendo conectividade semelhante à fibra para clientes em todo o mundo, segundo a SES.

As estações terrestres de satélite O3b mPOWER têm muitos recursos técnicos avançados em comparação com a estação terrestre de satélite O3b atual, que fica no Havaí. Eles incluem uma nova geração de antenas de fibra de carbono de 5,5 metros de rápida instalação que podem ser instaladas sem a necessidade de fotogrametria, que demandam maior investimento e consomem mais tempo. Além disso, utilizarão amplificadores de potência de estado sólido com eficiência energética e uma baixa carga elétrica para a unidade de controle da antena (ACU).

Essas estações usarão o sistema de gerenciamento de gateway para operações automatizadas e transferências, que serão integradas com a capacidade de gerenciamento de recursos (Controle Adaptativo de Recursos – ARC, na sigla em inglês) e outros subsistemas de software SES.

Com essa configuração, a SES gerenciará e otimizará dinamicamente o espaço e os recursos terrestres para atender às necessidades de mudança de seus clientes.

FONTE: TeleSíntese
Nossos sinceros agradecimentos aos autores da publicação!