Redes privadas podem ser alternativa para os games

Raphael Domingues - head de business development do SAS | Credito: 5x5 TEC Summit
Raphael Domingues – head de business development do SAS | Credito: 5×5 TEC Summit

Com as características como a altíssima velocidade, baixíssima latência, capacidade massiva de conexões e confiabilidade, combinada com edge computing, o 5G se torna um horizonte para o mercado não apenas do consumidor final, mas principalmente para empresas de entretenimento e games.  E neste caso, as redes privadas se tornam mais críticas, conforme explicou nesta sexta-feira, 10, no 5×5 TEC Summit, o head de business development do SAS Latam, Raphael Domingues.

Para o executivo, as redes privadas podem ser exploradas por muitas verticais, inclusive na área de produção de conteúdo de entretenimento, como vídeo e games. “Torna-se possível a implementação de design muito específico para as necessidades de caso de uso. Além disso, as empresas não precisam adquirir seus próprios espectros, e isso abre a possibilidade de investimentos onde realmente precisam”, coloca Domingues.

Na opinião dele, é mais provável que as empresas optem por parcerias, seja com operadoras ou com integradores terceiros, para a implantação das redes privativas. Isso porque permite “acelerar o time to value”, ou seja, a disponibilização mais imediata da aplicação para gerar valor de volta à companhia, em vez de procurar desenvolver internamente as habilidades com treinamento de funcionários.

Especificamente para o entretenimento, Domingues entende que as redes 5G permitirão a geração de novos conteúdos. “Haverá o crescimento de uma nova indústria que é atrativa, como jogos online, que traz necessidade altíssima de velocidades altas e baixa latência”, diz, referindo-se ao cloud gaming. O executivo da SAS entende ainda que aplicações como realidade virtual e aumentada serão importante com a nova tecnologia.

5×5 Tec Summit

O evento 5×5 Tec Summit é organizado pelos portais jornalísticos especializados Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, TELETIME e TI Inside, com a proposta de debater a modernização de cinco setores essenciais para a economia brasileira: governo, saúde, energia, finanças e entretenimento. Nesta sexta-feira, 10, o assunto a ser abordado é o entretenimento, finalizando o ciclo de debates.

FONTE: TeleSíntese
Mais uma vez, agradecemos aos autores originais desta publicação.