Produção global de lixo eletrônico subiu além de 53 milhões de toneladas em 2019

Produção global de lixo eletrônico subiu além de 53 milhões de toneladas em 2019De acordo com o monitor global de lixo eletrônico da ONU, a quantidade de lixo eletrônico produzida globalmente em 2019 atingiu um recorde de 53,6 milhões de toneladas. A ONU define lixo eletrônico como qualquer produto descartado com bateria ou plugue e que apresenta substâncias tóxicas e perigosas, como mercúrio, que podem representar riscos graves à saúde humana e ambiental.
O subsecretário da ONU David M. Malone disse:
As conclusões do Monitor Global de Lixo Eletrônico […] sugerem que a humanidade não está implementando suficientemente os objetivos de desenvolvimento sustentável.
Esforços substancialmente maiores são urgentemente necessários para garantir produção, consumo e descarte globais de equipamentos elétricos e eletrônicos mais inteligentes e sustentáveis. Este relatório contribui enormemente para o senso de urgência em reverter esse perigoso padrão global.

Produção global de lixo eletrônico subiu além de 53 milhões de toneladas em 2019

Segundo o relatório, a Ásia foi o maior culpado, gerando o maior volume de lixo eletrônico em 2019 em quase 25 milhões de toneladas, seguido pelas Américas em 13 milhões e Europa em 12 milhões. Enquanto isso, África e Oceania geraram 2,9 e 0,7 milhões, respectivamente.
De acordo com o relatório, embora o número de países que adotaram uma política, legislação ou regulamentação nacional de lixo eletrônico nos últimos cinco anos tenha aumentado de 61 para 78, apenas 17,4% do lixo eletrônico foi coletado e reciclado em 2019. Como resultado, aproximadamente 57 bilhões de dólares em ouro, prata, cobre e outros componentes considerados “materiais recuperáveis” foram descartados ou queimados.
Produção global de lixo eletrônico subiu além de 53 milhões de toneladas em 2019Segundo o relatório, a Ásia foi o maior culpado, gerando o maior volume de lixo eletrônico em 2019 em quase 25 milhões de toneladas. Imagem: ONU.
O presidente da Associação Internacional de Resíduos Sólidos, Antonis Mavropoulos, disse:
Esse forte aumento cria pressões ambientais e de saúde substanciais e demonstra a urgência de combinar a quarta revolução industrial com a economia circular. A quarta revolução industrial promoverá uma nova abordagem de economia circular para nossas economias ou estimulará o esgotamento de recursos e novas ondas de poluição.
Com base nos números mais recentes, a ONU prevê que o lixo global chegará a 74 milhões de toneladas até 2030. Nesse meio tempo, o lixo global será abastecido por taxas mais altas de consumo de eletroeletrônicos, ciclos de vida mais curtos e opções limitadas de reparo.
Fonte: ZDNET

FONTE: Blog SempreUpdate
Agradecimentos aos autores originais desta publicação! Até a próxima!