Pernambuco e Ceará ampliam programas de inovação

Lucas Ramos | Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco – INOVAtic 2021

A Usina Pernambucana de Inovação (UPI), a Rede Pernambucana de Pesquisa e Educação (REPE-PE) e o programa Corredores Digitais, no Ceará, são prioridades dos governos dos dois Estados e entram em fase de ampliação. Foi o que contaram Lucas Ramos, Secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco; e Marta Menezes, Coordenadora de Modernização e Inclusão Digital da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Ceará, durante o INOVAtic de 2021.

Os dois participaram do painel “Políticas de Conectividade e Inovação dos Estados”, que teve como mediador Robson Lima, presidente da Abramulti. Demi Getschko, presidente do NIC.br, também foi um dos convidados.

A UPI é de criação recente. “Cheguei à Secretaria em meio à pandemia e implantei o primeiro laboratório de inovação do setor público. Depois teve em São Paulo, o segundo. Existe ainda uma certa reação por parte dos órgãos de controle e de fiscalização, Ministério Público e Tribunal de Contas, que nem sempre compreendem as normas de contratação na área de ciências, tecnologia e inovação, e isso ainda é um entrave muito grande. Temos buscado implantar laboratórios em cada um desses órgãos para que cada um tenha o seu.  o que chamamos de Usina Pernambucana de Inovação, ou UPI”, explicou Ramos.

O conceito da usina é ser uma fábrica de boas ideias voltada aos desafios do setor público. “É com a UPI que fazemos contratos, parcerias, convênios, promovemos programas de gestão tecnológica e capacitação de servidores para solução de problemas como a distribuição de água no Estado, ou alguma deficiência energética”, disse o secretário.

“É também um desafio de políticas públicas de inclusão e sustentabilidade. A UPI é uma instituição necessária para promover tudo isso”, completou.

Já a REPE-PE foi lançada em 2017 e funciona em parceria com a Rede Nacional de Pesquisa (RNP). O projeto leva conectividade a pontos de interesse, como escolas e postos de saúde, por meio de uma infraestrutura instalada em fibra óptica.

“São 184 municípios no Estado e há duas redes implantadas pela RNP, uma em Recife, outra em Petrolina, na divisa com o Estado da Bahia. Isso permite tráfego mais rápido de dados, com alta qualidade. Nesse backbone era preciso que houvesse comunicação com outros municípios, com outros pontos de interesse”, pontuou Ramos. Esse sistema tem uma porta de entrada, que está no ITEP (Instituto de Tecnologia de Pernambuco). O órgão, antes público, hoje presta serviços tecnológicos para o Estado.

Captação de recursos

“Há uma rede de 3.000 km de fibra ótica já instalada, e a ideia é aumentá-la. Para isso, faremos uma captação de 9 milhões de reais para ampliação da infraestrutura. A chamada pública acontecerá nos próximos 30 dias”, contou Ramos.

Um dos objetivos é implementar o sistema de teleatendimento. “Hoje, um aluno tem aula com um médico que está em outra cidade ou outra universidade. Vamos melhorar, com a ampliação,  o atendimento virtual,” disse.

Por conta disso, duas plataformas foram criadas pelo Estado: Conecta Recife e Atende em Casa. “Muito em breve o Governo de Pernambuco vai lançar essa concorrência e esperamos que nessa chamada pública os provedores apresentem ótimas propostas”, concluiu Lucas Ramos.

Corredores

Da mesma forma, um edital sobre o Corredores Digitais, do Ceará,  já foi lançado. “E acredito que até o final de agosto já teremos resultado”, disse Marta Menezes, Coordenadora de Modernização e Inclusão Digital da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Estado.

O programa de inovação, que começou em 2010, está na sexta edição. O projeto é voltado ao desenvolvimento de empresas, produtos e negócios de áreas estratégicas do Ceará. “O Corredores Digitais já formou mais de 6.500 empreendedores e construiu 50 novas empresas. O projeto contribuiu para disseminar a cultura empreendedora no Estado; e também ecossistemas regionais”, falou Menezes.

“Lançamos o edital com duas jornadas: criação de negócios e atração de negócios. Esses projetos acontecem de forma paralela. Para criação podem participar empreendedores de pesquisas científicas ou tecnológicas, e startups em estágio inicial”, avisou a coordenadora.

Vacina

Marta Menezes também falou, durante o painel, que o Governo do Ceará, por meio da Universidade Estadual do Ceará (Uece), está desenvolvendo uma vacina contra o Covid-19, a HH-120-Defenser, que está na fase de aprovação para testes em humanos. O projeto começou em abril de 2020.

“A primeira fase, com testes em camundongos, foi concluída com sucesso. Agora vai para a Anvisa, para aprovação de testes com humanos. Já tivemos também reunião com a Fiocruz, porque será necessário  uma empresa para produzi-la. Acredito que o mais breve possível será liberada para imunizar cearenses e todo o Brasil”, completou Marta.

FONTE: TeleSíntese
Aproveito a oportunidade para renovar meus protestos de respeito e consideração aos autores da publicação original.