Monkey deve fechar o ano com R$ 30 bi em recebíveis negociados

Gustavo Müller, CEO da Monkey Exchange - Foto: Patrícia Cançado
Gustavo Müller, CEO da Monkey Exchange – Foto: Patrícia Cançado

A Monkey Exchange, marketplace de recebíveis, se prepara para atender em sua plataforma as duplicatas eletrônicas, que passarão a ser reguladas pelo Banco Central a partir do início de 2022. Para este ano, a meta é expandir sua operação para América Latina e lançar ferramentas para recebíveis de cartão de crédito. O propósito da fintech é ser uma alternativa de crédito às PMEs e criar referências de preços.

Sua solução, Spike, conecta  bancos e instituições financeiras, grandes empresas e seus fornecedores, para que possam precificar e identificar os riscos das transações de recebíveis de forma rápida, simples e segura. A fintech atua com controle de processos, leilão reverso com vantagens, White label funcional e cadeia de suprimentos financeira.

Leia a notícia completa no Digital Money Informe

FONTE: TeleSíntese
(Meus agradecimentos a este website que proporciona sempre novidades!)