Microsoft junta-se à Open Infrastructure Foundation

A Microsoft resolveu dar mais um passo importante em relação ao código aberto. Isso ocorre principalmente em benefício próprio, porém, todos devem sair ganhando com a troca de informações e investimentos. Por anos, o OpenStack, o código aberto, nuvem de infraestrutura como serviço (IaaS) ficaram entre o que é conhecido como Vale da Desilusão e Declive da Iluminação. Agora, com a adesão da Microsoft à Open Infrastructure Foundation, deve ficar claro para todos que o OpenStack e suas tecnologias relacionadas saltaram para o platô da produtividade.

Porque? Porque juntos eles podem avançar e lucrar com o uso dessas tecnologias de nuvem para promover a nuvem híbrida e, uma especialidade do OpenStack, o 5G. A Microsoft está ingressando na Open Infrastructure Foundation como membro Platinum.

Este movimento faz todo o sentido. 

De acordo com o 2021 OpenStack User Survey, que será lançado em breve na Superuser Magazine, 40% dos usuários do OpenStack executando sua implantação em uma configuração de várias nuvens já estão executando o OpenStack no Azure. Claramente, OpenInfra e Microsoft pertencem um ao outro. 

Em sua apresentação para o Conselho de diretores do OpenInfra, Ryan van Wyk, gerente de engenharia de software parceiro da Microsoft para Azure para operadoras, disse que o compromisso de vários anos de apoiar a Fundação OpenInfra é a mais recente iniciativa da Microsoft para apoiar um ecossistema vibrante e diversificado de projetos de código aberto e comunidades. Especificamente, por meio da associação da Microsoft, van Wyk disse que a empresa irá:

Representar os interesses de seus clientes de telecomunicações no OpenStack e na comunidade OpenInfra mais ampla,Contribuir ativamente para vários projetos OpenInfra, eProcure oportunidades para integrar projetos OpenInfra no roteiro de produtos do Microsoft Azure conforme ele evolui.

Para que a Microsoft junta-se à Open Infrastructure Foundation?

Microsoft junta-se à Open Infrastructure Foundation

Especificamente, a Microsoft usará tecnologias OpenInfra em sua parceria com a AT&T. A Microsoft está integrando a plataforma AT&T Network Cloud com a oferta de telecomunicações Azure for Operators da Microsoft para permitir que as empresas de telecomunicações forneçam serviços 5G altamente confiáveis, econômicos e seguros para consumidores e clientes empresariais. Isso também permitirá que os clientes de telecomunicações que atualmente usam o OpenStack implantado no Kubernetes trabalhem ou migrem para o Azure para operadoras.

Com esta mudança, a Microsoft está se juntando às 60 organizações que já são membros do OpenInfra para definir o futuro da infraestrutura de código aberto. Com seu apoio e o apoio de mais de 110.000 pessoas em 187 países, a OpenInfra Foundation hospeda vários programas de infraestrutura de código aberto para IA, aplicativos nativos de contêiner, computação de ponta e nuvens. Além dos projetos já mencionados, seus projetos incluem Kata ContainersOpenInfra LabsStarlngX e o  projeto Magma 5G.

Esses projetos são importantes. 

Como Mark Collier, COO da OpenInfra Foundation, disse: “Softwares como o OpenStack, agora capacitam 9 das 10 maiores redes de telecomunicações do mundo, Kata Containers protege a maior rede de pagamento do mundo e Airship capacita as redes AT&T 4G e 5G em produção hoje.” 

“A Microsoft está se juntando a este esforço para apoiar a construção da próxima década de tecnologia de infraestrutura aberta porque a nuvem híbrida é um elemento importante de nosso portfólio de tecnologia”, acrescentou van Wyk. “Acreditamos em uma variedade de nuvens: públicas e privadas, da hiperescala à borda, cada uma sintonizada com as cargas de trabalho exclusivas que nossos clientes precisam fornecer e não podemos fazer isso sem o código aberto. Estamos aqui na Fundação OpenInfra para participar na comunidade e trabalhar em conjunto para criar e integrar tecnologias de código aberto para fornecer a infraestrutura de nível de operadora do Microsoft Azure para operadoras.”

Via ZDNet

FONTE: Blog SempreUpdate
Mais uma vez, agradecemos aos autores originais desta publicação.