Meio eletrônico de pagamento deverá movimentar R$ 2,3 trilhões este ano

As compras por meios eletrônicos de pagamento como cartões de crédito, débito e pré-pagos devem movimentar cerca de R$ 2,3 trilhões em 2021, o que representa um crescimento de quase 20% em relação ao ano passado, conforme estima a Abecs, associação das empresas de meio eletrônico de pagamento.

O segmento representa hoje 31% do PIB, enquanto em 2010 sua participação foi de 14%, segundo Pedro Coutinho, presidente da Abecs, durante o 14º CMEP – Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento, que reuniu nesta semana pela web as principais lideranças do segmento para debater a evolução dos meios de pagamento. A Abecs completa 50 anos com 89 associados e mantendo um crescimento de dois dígitos, nos últimos 10 anos.

O setor espera uma alta de mais de 20% apenas no uso do cartão de crédito, enquanto o crescimento projetado para o cartão de débito está entre 13% e 15%, e para o cartão pré-pago, entre 90% e 110%.

O papel da indústria de cartões foi fundamental para manter o acesso ao crédito e ao consumo durante a pandemia, que acelerou a expansão do e-commerce e a inclusão de pessoas no mercado financeiro. O fato de mais de R$ 50 bilhões do auxílio emergencial do governo serem gastos pelos cidadãos brasileiros sem que houvesse saques foi fundamental para a expansão da indústria de meios de pagamento no país. Hoje o parque conta com mais de 11 milhões de maquininhas aptas a aceitar transações de toda natureza.

O número de transações não presenciais  aumentou 32%, no ano passado, o que significa que de cada quatro transações realizadas, três foram digitais. Os investimentos tecnológicos realizados nas últimas décadas trouxeram mais segurança e garantiram uma melhor experiência para o consumidor.

Tecnologia NFC em alta

A tecnologia de meios de pagamento cresceu cerca de 47% no país, em 2020, embora seja considerada incipiente ainda, se comparada a mercados mais maduros. O pagamento por aproximação (NFC), que no passado estava concentrado nos smartphones e wearable, começou a se popularizar com a pandemia. Hoje são mais de 15 milhões de cartões emitidos com a tecnologia NFC e esse tipo de pagamento tende a se intensificar ainda mais ao longo deste ano, com a mudança do limite para transacionar sem senha, agora em R$ 200, afirma Rogério Panca, head de cartões e pagamentos digitais do Santander Brasil.

Open banking

Foi consenso entre os participantes do Congresso que o open banking influenciará a concorrência na indústria de pagamento. Com a entrada da figura do Iniciador de Pagamento (IP), regulada pelo Banco Central, que passará a vigorar na terceira fase do Open Banking. Prevista para agosto, inúmeros arranjos serão apresentados, permitindo que os serviços aprimorem a experiência dos usuários e acirrem a competição pelo cliente.

Com a informações e dados ganhando relevância, uma das principais alavancas do open banking será voltada para o crédito, segundo Fernando Amaral, diretor de produtos e planejamento do Itaú-Unibanco. As instituições financeiras passam a ter um papel fundamental em conscientizar o cliente sobre a importância de seus dados e que agora o poder está em suas mãos. “Cabe aos players da indústria financeira definir que informação é dinheiro, e que também serve para melhorar o acesso ao crédito”, acrescenta Raul Moreira, membro do Conselho de Administração do Banco Original.

Para Bruno Magrani, diretor de relações institucionais do Nubank, o fato de o consumidor ser proprietário de seus dados vem potencializar a oferta de  serviços financeiros personalizados, que passam a ser alimentados com informações pessoais. Com o uso dos recursos de Inteligência Artificial e Machine Learning, essas soluções poderão ser comparáveis as que o cliente tem disponível no mundo físico.

Impulsionados pelo open banking produtos baseados em algoritmos e portabilidade serão oferecidos em maior escala, o que tornará melhor o acesso ao crédito. A expectativa é que a combinação desses fatores venha contribuir para a indústria de pagamento.

Carteiras digitais

A aposta no crescimento das carteiras digitais – que potencializaram a inclusão financeira no país – também foi unânime entre os participantes dos debates. Especialistas estimam que o mercado comporte hoje mais de 250 carteiras digitais oficiais registradas atuando no mercado brasileiro – considerando os segmentos bancário, varejo, fintechs e instituições financeiras. O mercado aposta na colaboração entre os players – carteiras digitais, cartões de crédito e varejo – para melhorar a experiência do usuário. Diante de tantas opções, ficará a critério do consumidor decidir o que for mais conveniente para ele.

Os desafios que a indústria de cartões enfrenta agora é equilibrar o aumento da autenticação, evitar o crescimento de fraude no canal online e oferecer uma boa experiência para o consumidor. Segurança nesse processo é a chave do jogo. “Temos tecnologia disponível para que a transação seja simples, inteligente e segura”, diz Amaral. A tecnologia tem tornado possível o aumento de ferramentas como tokenização, biometria e adoção do protocolo 3DS-2.0, que cria oportunidades no débito e no crédito para expandir segurança e facilitar a experiência do cliente.

A Abecs está liderando um comitê de segurança nas transações no e-commerce que, além dos associados, é representado por players da indústria de diversos segmentos. “Avançar o processo de inclusão de pessoas no mercado financeiro com a garantia de transações seguras na internet é nosso grande salto para este ano”, diz Ricardo Vieira, diretor executivo da Abecs. A expectativa é que até 2022, 60% do consumo das famílias brasileiras seja feito por cartões e carteiras digitais.

 

FONTE: TeleSíntese
Por mais esta excelente publicação, agradecemos.