Ilumina sem luz

Leandro Kuhn, CEO da L8 Group

L8 Group

3º Lugar

Categoria Fornecedores de Produtos

Produto inovador: Poste Inteligente

Por Pedro Magalhães

[O Tele.Síntese vai publicar ao longo das próximas semanas as reportagens publicadas no Anuário Tele.Síntese de Inovação 2020, editado no final do ano passado e que pode ser baixado na íntegra e gratuitamente aqui]

O Arco Metropolitano no Rio de Janeiro custou cerca de R$ 2 bilhões. Inaugurada em 2014, a via, que faz ligações entre três rodovias federais, foi concebida para ser uma das mais modernas e iluminadas do estado, além de opção para o escoamento do tráfego. Mas o Arco encontra-se praticamente às escuras. É que dezenas de postes de iluminação vêm sendo depredados para a retirada das placas fotovoltaicas que os alimentam com energia solar. Os equipamentos podem ser valiosos no mercado clandestino.

Levar equipamentos modernos e multifuncionais a diferentes pontos das cidades, sem que as estruturas ficassem totalmente à mercê de vandalismos – como no caso do Arco Metropolitano – foi uma das motivações da curitibana L8 Group para a criação do seu poste inteligente. O produto desenvolvido pela empresa é indicado tanto para lugares menos suscetíveis à violência quanto para áreas consideradas de risco.

“Esse tipo de solução já existe há alguns anos, mas um dos principais problemas é a depredação. Uma das nossas preocupações foi deixá-lo autônomo. Assim, mesmo que se corte o cabo de energia e a fibra ótica, ele possui uma bateria interna padrão de 24 horas. O poste acusa o corte de fibra, dispara um alarme para a central e continua gerando dados e enviando imagens pela rede celular”, explica Leandro Kuhn, CEO da empresa.

O L8 possui sistema wireless habilitado para a última geração do Wi-Fi, o Wi-Fi 6, com capacidade para taxas de transmissão de até 10 Gbps. Até 50 metros de distância do poste aplicações conseguem rodar com boa performance, garante o executivo. No âmbito da rede celular, a solução também está preparada para suportar a rede 4G e as futuras redes 5G.

“Você vai precisar de muitas antenas na 5G. É importante para essa rede ter um poste com a autonomia de energia que a gente oferece. Imagine que você tenha uma região que não tenha 5G. Você pode colocar nosso poste e embutir antena 5G para cobrir aquela área,” prevê Kuhn, ressaltando que o poste demanda conexão via fibra ótica e que a L8 tende a ser, portanto, tanto cliente quanto fornecedora das operadoras.

Um dos principais motivadores para o desenvolvimento do produto foi a tendência de cidades inteligentes. O poste da L8 vem com câmera termográfica de precisão de 0.3 graus para controle de temperatura, inclusive em aeroportos e pontos de fronteira, além de intercomunicador com áudio bidirecional com distância de comunicação de até 5m e câmera de monitoramento de 360 graus e padrão de compressão de vídeo H.265+.

As câmeras instaladas no poste capturam imagens ao vivo, fazem zoom em áreas críticas e realizam identificação facial de forma minuciosa, com recursos analíticos que possibilitam estimar até mesmo a idade de quem está sendo observado, assegura o presidente da empresa. Para monitoramento de trânsito, a solução consegue identificar com alta precisão uma conversão irregular ou um carro estacionado em local proibido.

A fabricação é local e o produto já está sendo comercializado, com preço inicial de R$ 18 mil na sua formatação mais básica (recursos de conectividade e duas câmeras). Atualmente, está sendo implementado em um provedor do interior de São Paulo e em fase final de negociação com prefeituras no estado do Paraná. Um dos casos de uso é o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) de Curitiba, onde foi instalado para demonstração em julho deste ano.

Além do poste inteligente, o grupo L8 também atua nos setores de energia, como fornecedor e distribuidor de sistemas fotovoltaicos, conectores e inversores, entre outros; de cibersegurança, como parceiro de empresas como a Check Point e a A10 Networks; e de automação, com produtos que vão de controle de acesso à infraestrutura de data centers.

FONTE: TeleSíntese
Meu agradecimento pelas excelentes publicações!