Fusão no mercado de TI: brasiliense Memora adquire a carioca ORAEX

Jeovani Salomão, CEO da Memora (Foto: divulgação)

A brasiliense Memora, empresa fornecedora de TI para o serviço público, comprou a carioca ORAEX, que opera no setor privado e tem escritórios no exterior. Os valores da transação não foram revelados, mas, a partir da negociação, a Memora estima para 2021 um faturamento global de R$ 100 milhões.

Fundada em 2010, a ORAEX apresenta forte crescimento, de 150%, entre 2017 e o ano passado. A empresa tem especialização em infraestrutura tecnológica e cloud computing, e uma carteira de clientes no setor privado que inclui Magalu, Getnet, Santander e Grupo Ultra.

A Memora é especializada em gestão de processos e transformação digital no setor público. Tem contratos com os ministérios da Economia, da Saúde, da Educação e do Desenvolvimento Social, além de Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, governos do Distrito Federal, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, e empresas como Itaipu Binacional, NET, Claro e Vale. Com a aquisição, amplia participação no setor privado e avança em sua internacionalização, já que a ORAEX tem clientes e escritórios nos EUA, está prestes a assinar um contrato na Austrália e negocia contratos na Argentina e no México.

Os sócios da ORAEX passam a integrar o quadro de acionistas da Memora. “A operação de M&A por parte da Memora traz inúmeros benefícios para ambas as empresas, mas falando em específico da ORAEX, teremos uma grande adição de valor em vários aspectos de nossa operação. É possível dizer que, em curto prazo, já teremos grandes impactos em nossa projeção de crescimento e nas ofertas que podemos levar ao mercado, e principalmente, melhorar ainda mais o nosso posicionamento junto aos clientes que já estão conosco”, celebra Athos João, diretor da ORAEX.

“Não vamos interferir na gestão da ORAEX, que vem sendo muito bem conduzida, vide o crescimento exponencial nos últimos anos. Queremos, sim, abrir contatos e contratos novos. Vamos proporcionar a robustez necessária para grandes negócios”, complementa Jeovani Salomão, CEO da Memora. Ele conta que todo o processo de M&A durou apenas um mês e cinco dias, já que as empresas já faziam negócios entre elas.

FONTE: TeleSíntese
Nossos sinceros agradecimentos aos autores da publicação!