Franquias da Brisanet fecharão ano com 300 mil assinantes, prevê CEO

A Agility Telecom, braço da Brisanet de franquias, deverá terminar o ano com base de 300 mil assinantes de banda larga. A previsão é do CEO do grupo, José Roberto Nogueira. Caso a tendência se confirme, unidade da companhia terá ao final de 2021 entre 140 e 150 franqueados.

O executivo, que participou nesta manhã de conferência de resultados com investidores, contou que os planos para a Agility são ousados. A meta é chegar a 2023 com 500 franqueados – mas não traçou quantos assinantes a unidade terá.

Voltada ao varejo nas cidades pequenas do Nordeste, a Agility tem no momento mais de 150 mil clientes. A estratégia de franquias da Brisanet é semelhante ao funcionamento de uma rede neutra. O franqueado recebe o direito de utilizar a rede construída e detida pelo grupo, ficando encarregado de fazer toda a interface com o assinante.

Infraestrutura em todo o Nordeste

Além dos planos de expansão no varejo via parcerias, Nogueira afirmou também a analistas de mercado que o projeto do grupo prevê implantação de backhaul óptico em todas as cidades. A meta é atender todas as cidades da região com a infraestrutura até o fim de 2024.

Ele contou que houve atraso na implantação prevista para este ano de rede nas cidades de Teresina, Juazeiro, Campina Grande, Aracaju em função de atrasos na entrega de equipamentos por parte da Cisco, que é responsável pelo núcleo da rede da operadora.

Nogueira afirma, porém, que o fornecimento foi normalizado, o que permitiu saltar de 94 mil homes passed (casas aptas a assinar banda larga por fibra) por trimestre para 200 mil homes passed. Somente neste ano, a empresa vai levar backbone a 34 cidades.

Preços vão subir

O executivo também falou sobre competição. Os preços dos planos de banda larga fixa devem seguir baixos no Nordeste pelo menos até meados de 2022, mas depois tendem a subir, prevê. Ele explica que no momento, ISPs que pretender ser consolidados estão segurando preços para ampliar a base e atrair investidores. Com o amadurecimento do mercado já consolidado, em meados de ano que vem, será momento de os investidores buscarem ampliar o EBITDA, e assim, deverão elevar preços para recuperar os investimentos.

FONTE: TeleSíntese
(Acesse o website do autor da publicação para mais detalhes)