Firefox corre riscos após cortes de pessoal e queda os lucros na Mozilla

Firefox corre riscos após cortes de pessoal e queda os lucros na MozillaFirefox corre riscos após cortes de pessoal e queda os lucros na MozillaA tempestade perfeita parece se formar em torno do navegador Firefox, a única alternativa realmente inovadora em relação ao Chrome e demais navegadores com base no Chromium. A Mozilla tem de lidar com com o fato que cada vez menos pessoas usam o navegador. E a empresa responsável, a Mozilla Foundation, parece estar enfrentando problemas financeiros cada vez mais profundos.
No relatório anual de 2019 da Mozilla, a Mozilla fala muito sobre uma “internet saudável para todos”, mas isso inclui seus programadores?
É verdade que o Mozilla e o Firefox ainda vinham produzindo um trabalho importante. como exemplo, as linguagens JavaScript, Rust e WebAssembly. Eles também eram campeões de segurança e privacidade. Projetos como DNS-over-HTTPS (DoH) e melhorias gerais de segurança foram ótimos, mas em 2020 a Mozilla demitiu vários desenvolvedores.
Primeiro, a Mozilla demitiu alguns de seus funcionários mais antigos. Eram desenvolvedores de ponta, como Liz Henry, então gerente de lançamento do Firefox, e hoje no Twitch, a plataforma de streaming ao vivo para jogadores, gerente de lançamento sênior.
Isso foi ruim. Então, em agosto, a Mozilla demitiu quase um quarto de sua equipe. A equipe Rust foi particularmente atingida.

Firefox corre riscos após cortes de pessoal e queda os lucros na Mozilla

Firefox corre riscos após cortes de pessoal e queda os lucros na Mozilla
Mitchell Baker, CEO da Mozilla Corporation e presidente da Mozilla Foundation, culpou a pandemia do coronavírus.. Baker acrescentou “que o modelo antigo em que tudo era grátis tem consequências, significa que devemos explorar uma gama de diferentes oportunidades de negócios e trocas de valor alternativas”.

Poucos dias depois das demissões, no entanto, vazou a notícia de que a Mozilla e o Google prorrogaram seu contrato de busca atual por mais três anos. Este novo acordo vai garantir que o Google continue a ser o provedor de mecanismo de busca padrão dentro do navegador Firefox até 2023 por cerca de US $ 400 milhões a US $ 450 milhões por ano.
Apesar disso, porém, e de um relatório anual de 2019 que parece muito otimista, a receita da Mozilla em 2019 foi de $ 826,6 milhões, um aumento de 84% ano a ano e seu melhor ano de todos os tempos.

Perdas financeiras

Não fique muito animado. Se você olhar mais de perto o demonstrativo financeiro de 2019, verá que a Mozilla divulgou US$ 338 milhões como “Outras receitas”. Esse dinheiro veio da Verizon como parte de um acordo legal para quando a Mozilla desistiu de seu contrato com o Yahoo depois que a Verizon adquiriu o Yahoo.
Deixando de lado os frutos do litígio, quase toda a receita da Mozilla, 92%, veio de seu acordo de publicidade do Google em 2017. No entanto, embora isso parecesse muito, a verdade é que a Mozilla está realmente perdendo dinheiro. Na verdade, ela perdeu muito mais do que em 2018. As despesas da Mozilla em 2019 chegaram a US $ 495,3 milhões, ou quase US $ 5 milhões a mais do que a receita.
O desenvolvimento de software, $ 304 milhões, representou a maior parte, 61% das despesas da Mozilla. Com suas duas rodadas de cortes, o desenvolvimento de software pode não representar tanto as despesas do Mozilla em 2020.
A Mozilla não viu necessidade de fazer esses cortes em seu relatório financeiro e documentos associados. Também vale a pena notar que no relatório Form 990 da Mozilla Foundation 2019, a Mozilla Foundation sem fins lucrativos – não a Mozilla Corp. comercial – relatou $ 28,4 milhões em receitas e $ 21,9 milhões em despesas, então a própria Fundação estava no azul.
No entanto, a Mozilla Foundation também informou que os salários e outras remunerações dos funcionários totalizaram US $ 9,4 milhões em despesas. Em 33%, o que dá a Fundação uma pontuação baixa de 2,5 no Navigator Charity ‘s métrica despesa administrativa. O CEO e presidente da Mozilla, Baker, recebeu mais de US$ 3 milhões, um aumento substancial em relação aos US $ 2,5 milhões de 2018. O salário de Baker, no entanto, veio dos fundos corporativos, não da Fundação.
Em outras áreas, a Mozilla continua cortando custos. A Mozilla estará se mudando de seu escritório em Mountain View, CA quando seu contrato terminar em janeiro.

Queda na participação de mercado

O maior problema que a Mozilla não abordou em seu relatório anual, porém, não foram os cortes de funcionários, mas a queda constante da participação no mercado de navegadores.
A participação de mercado do Firefox vem diminuindo há anos. Em julho de 2012, o Firefox havia começado a recuar de sua marca de alta de 23,75%. Em março de 2020, de acordo com o Digital Analytics Program (DAP) do governo federal dos Estados Unidos, a participação de mercado do Firefox caiu para apenas 3,6%. Em 9 de dezembro de 2020, apenas alguns meses depois, a participação do Firefox caiu para apenas 3,4%.
Além disso, o Firefox só tem realmente uma fatia do mercado de desktop. Seus números de smartphones nunca foram bons.

Novos produtos seriam a salvação?

Baker vinha falando sobre novos fluxos de receita. Em agosto, Baker disse que a Mozilla “enviará novos produtos mais rapidamente e desenvolverá novos fluxos de receita”. Isso inclui seu aplicativo de favoritos Pocket; suas salas virtuais Hubs; e seu Firefox VPN de US $ 4,99 por mês.
Porém, isso também está sem garantias de que vá funcionar. Já existem programas de bookmarking bem-sucedidos (Evernote, Flipboard e Instapaper), salas de reuniões virtuais (Zoom, Slack e Teams); e VPNs (NordVPN, PureVPN e Hotspot Shield). O que a Mozilla pode oferecer que essas outras empresas ainda não oferecem?
A empresa também tinha, ao final de 2019, US $ 785 milhões em caixa e investimentos. Mas, com sua participação de mercado cada vez menor e equipes de desenvolvimento muito menores, você deve se perguntar por quanto tempo a Mozilla pode continuar com os planos atuais.
Cortes sozinhos de infraestrutura e dos melhores desenvolvedores não vão salvar a Mozilla. E, com a participação de mercado cada vez menor do Firefox, ele não poderá contar com futuros acordos de publicidade anuais de cem milhões de dólares. Segundo os especialistas, para a Mozilla continuar a importar, é necessária uma nova gestão e um novo plano estratégico.
ZDNet

FONTE: Blog SempreUpdate
Aproveito a oportunidade para renovar meus protestos de respeito e consideração aos autores da publicação original.