DuckDuckGo e Ecosia pedem à UE que proíba o Google de ser o mecanismo de pesquisa padrão em navegadores e sistemas operacionais

Quatro motores de busca rivais do Google pediram aos legisladores da União Europeia, em uma carta aberta, que tentem frear o domínio do gigante da tecnologia no mercado e estabeleçam regras para os menus de preferência dos mecanismos de busca. Assim, o DuckDuckGo e Ecosia pedem à UE que proíba o Google de ser o mecanismo de pesquisa padrão em navegadores e sistemas operacionais.

DuckDuckGo e qwant (ambos reconhecidos por não salvar pesquisas respeitando assim a privacidade melhor), Ecosia (que plantas árvores de acordo com o número de pesquisas) e Lilo (destinado a causas sociais) consideram que “a capacidade da gigante da tecnologia para estabelecer padrões nocivos que continua a limitar a facilidade com que os consumidores podem mudar para alternativas que não sejam do Google.”

DuckDuckGo e Ecosia pedem à UE que proíba o Google de ser o mecanismo de pesquisa padrão em navegadores e sistemas operacionais. Empresas querem proibir sistemas operacionais de imporem o Google por padrão

DuckDuckGo e Ecosia pedem à UE que proíba o Google de ser o mecanismo de pesquisa padrão em navegadores e sistemas operacionais

“A Lei dos Mercados Digitais, também conhecida como DMA por sua sigla em inglês, deve ser adaptada com urgência para evitar que os gatekeepers suprimam a concorrência dos buscadores”, é uma das frases mais em destaque do texto. E isso se traduz em exigir que os sistemas operacionais e navegadores dos “gatekeepers” (que se referem às instituições que têm controle sobre as informações e, portanto, a capacidade de decidir o que é publicado) não imponham o Google por padrão, mas tenham um menu onde o usuário pode escolher.

Além disso, a petição do mecanismo de pesquisa considera que o DMA deve garantir que, além de selecionar a pesquisa preferencial padrão na integração inicial, os consumidores podem alternar os mecanismos de pesquisa concorrentes a qualquer momento com um único clique. Essas medidas teriam o objetivo de oferecer uma escolha real aos consumidores on-line, segundo a Ecosia e os demais buscadores.

Medidas insuficientes para conter o poder dos gigantes da Internet

A Comissão introduziu a Lei dos Mercados Digitais no final do ano passado, propondo um conjunto fixo de regras para conter os chamados “guardiões” da Internet, a fim de garantir que eles não abusem de seu poder contra outras empresas.

No entanto, os quatro rivais do Google dizem que a legislação proposta não contém nenhuma medida para ajudar a quebrar o domínio contínuo da gigante da tecnologia em buscas na Europa (onde tem cerca de 93% do mercado). É por isso que eles pedem alterações na lei para adicionar regras mais específicas.

Porta-vozes desses mecanismos de busca alternativos dizem que o Google implementou um menu de preferências que permite aos usuários escolher sua busca padrão ao configurar um dispositivo Android. Mas esta opção não está disponível no Chrome OS ou outros sistemas operacionais de desktop. Em segundo lugar, ocorre apenas uma vez. Se um usuário decidir alterar essa opção mais tarde, em vez de quando o aviso aparecer, “você tem que dar mais de 15 cliques ou reiniciar o telefone“, diz a carta.

FONTE: Blog SempreUpdate
Mais uma vez, agradecemos aos autores originais desta publicação.