Conexis pede mais um teste de mitigação com filtro multiponto à Anatel

A Conexis Brasil Digital, antigo Sinditelebrasil, enviou carta à Anatel no final de novembro na qual solicita que a agência realize mais testes de campo com um LNBF multiponto da fabricante Visiontec.

O pedido consta no processo de elaboração do edital do leilão 5G, no qual a autarquia terá de definir se haverá licitação de 400 MHz na faixa de 3,5 GHz, e se os canais de TV aberta transmitidos por satélite (TVRO) terão de ser movidos para a banda Ku ou poderão permanecer na Banda C, em espectro próximo ao do serviço móvel. Sem qualquer filtro, essa convivência resulta em interferências.

O aparelho da Visiontec não fora testado antes porque não havia amostra pronta a tempo dos ensaios de campo conduzidos no Centro de Referência em Telecomunicações da Claro, no Rio de Janeiro, até outubro. A inexistência de experimentos com um aparelho multiponto mereceu ressalva nas conclusões da área técnica da Anatel.

A Conexis pediu também a realização de testes com um novo modelo de LNBF monoponto, já com alterações feitas com base nas conclusões do relatório da área técnica da agência.

Dá tempo

Segundo a entidade, o CPQD, contratado para fazer a consultoria técnica das operadoras, constatou bons resultados com os LNBFs. Os resultados de ambos, afirmam as teles, “indicam que as especificações consideradas pela Anatel para amostra multiponto foram comprovadas em laboratório e tornam elegível para teste em campo pela Agência”.

O pedido de mais testes reforça a intenção das operadoras de que o leilão da 5G preveja como solução para a interferência do serviço móvel sobre a TVRO a mitigação de sinal, e não a migração para a banda Ku.

“Estes testes trazem maior amplitude a solução quanto à utilização de filtros de forma a garantir o funcionamento dos serviços impactados pela destinação da faixa de 3,5GHz para o IMT-2020 e definindo, assim, os procedimentos de mitigação necessários no Edital de Licitação”, traz a carta.

Cabe todo mundo

No mesmo processo, a Embratel Star One, braço de operação satelital da Claro, anexou carta data da 6 de novembro na qual reitera que terá capacidade técnica para acomodar todos os canais de TVRO que hoje operam em 3,7 GHz na banda entre 3,8 GHz e 4,2 GHz. Dessa forma, haverá 100 MHz de espectro adjacente funcionando como banda de guarda e prevenindo interferência.

FONTE: TeleSíntese
Mais uma vez, agradecemos aos autores originais desta publicação.