Chrome muda como seu sistema de cache funciona para melhorar a privacidade

Chrome muda como seu sistema de cache funciona para melhorar a privacidadeO Google mudou a forma como um sistema de cache do navegador Chrome funciona para adicionar proteções de privacidade para seus usuários. Conhecido como HTTP Cache ou Shared Cache, esse componente funciona salvando cópias de recursos carregados em uma página da web, como imagens, arquivos CSS e arquivos JavaScript.
A ideia é que quando um usuário revisita o mesmo site ou visita outro site onde os mesmos arquivos são usados, o Chrome irá carregá-los de seu cache interno, ao invés de perder tempo baixando cada arquivo novamente.

Chrome muda seu sistema de cache para melhorar a privacidade

Quando o navegador carrega uma nova página, ele procura a chave (URL) em seu banco de dados de cache interno e vê se é necessário fazer o download da imagem ou carregá-la do cache. Infelizmente, ao longo dos anos, as empresas de publicidade e análise na web perceberam que esse mesmo recurso também poderia ser usado para rastrear usuários.
Chrome muda como seu sistema de cache funciona para melhorar a privacidadeO Google mudou a forma como um componente central do navegador Chrome funciona para adicionar proteções de privacidade para seus usuários.
Eiji Kitamura, do Google, disse:
Esse mecanismo tem funcionado bem do ponto de vista do desempenho há muito tempo.
No entanto, o tempo que um site leva para responder a solicitações HTTP pode revelar que o navegador acessou o mesmo recurso no passado, o que abre o navegador para ataques de segurança e privacidade.
Mas com o Chrome 86, o Google lançou mudanças importantes neste mecanismo. Conhecido como “particionamento de cache”, esse recurso funciona alterando como os recursos são salvos no cache HTTP com base em dois fatores adicionais. A partir de agora, a chave de armazenamento de um recurso conterá três itens, em vez de um.

Chaves adicionais

Ao adicionar chaves adicionais ao processo, o Chrome bloqueou efetivamente todos os ataques anteriores contra seu mecanismo de cache, já que a maioria dos componentes do site só terá acesso aos seus próprios recursos.
O Google vem testando o particionamento de cache desde o Chrome 77, lançado em setembro de 2019; e disse que o novo sistema não teria nenhum impacto sobre os usuários ou desenvolvedores.
Os únicos que verão uma mudança são os proprietários de sites que têm maior probabilidade de observar um aumento no tráfego da rede em cerca de 4%.
O particionamento de cache está atualmente ativo apenas no Chrome, mas também está disponível para outros navegadores com base no código-fonte aberto do Chromium; todos os quais têm probabilidade de implantá-lo nos próximos meses. Isso inclui nomes como Edge, Brave, Opera, Vivaldi e outros.
Fonte: ZDNET
Google trabalha em opção de rolar pelas guias do Chrome com a roda do mouse

Chrome 86 traz melhorias de segurança relacionadas a senha

Novo Google Chromecast ganha controle remoto e Google TV

FONTE: Blog SempreUpdate
Aproveito a oportunidade para renovar meus protestos de respeito e consideração aos autores da publicação original.