Brisanet registra prejuízo no 3º trimestre

Crédito: Freepik
Crédito: Freepik

A operadora Brisanet registrou prejuízo de R$ 6,62 milhões no terceiro trimestre do ano. A companhia divulgou hoje, 12, o resultado do período. Há exatamente um ano, o grupo registrava lucro de R$ 11,2 milhões.

A perda se deveu a aumento dos custos. Estes cresceram de R$ 61,7 milhões no terceiro trimestre de 2020 para R$ 102 milhões agora. Aumentaram as despesas administrativas, as despesas comerciais e as despesas financeiras.

A empresa ampliou gastos com pessoal em função do aumento de casas passadas e conectadas, o que exigiu mais funcionários. Também cresceram gastos com aluguel de postes, energia elétrica em função da inflação dos contratos e gastos com link. A expansão da rede ampliou os ativos e o intangível, resultando em aumento dos dispêndios com depreciação e amortização.

Houve ainda despesas extraordinárias relacionadas à realização da abertura de capital da empresa na B3.

Receitas

A receita líquida da Brisanet aumentou 55,8% na comparação ano a ano, passando de R$ 121,9 milhões no terceiro trimestre de 2020, para R$ 190,0 milhões agora.

Isso se deu principalmente em função do aumento do número de assinantes – que passou de 554.915 para 790.731 em setembro de 2021, alta de 42% – e do aumento da participação dos pacotes de maior valor na base de clientes. O ticket médio de banda larga aumentou 3,1%.

No terceiro trimestre foram adicionadas 579 mil HPs e 54 mil clientes. A expansão orgânica da Companhia continua acelerada, com outubro já tendo registrado a adição de 221 mil HPs, com isso a infraestrutura de fibra óptica da Brisanet já passa na frente de 4 milhões de residências nordestinas.

Ao final de outubro, a Companhia já estava presente em 113 cidades, atendendo a um total de 807 mil clientes. Em novembro, a Companhia pretende ativar a primeira cidade no Maranhão e na Bahia.

O EBITDA Ajustado da Companhia, excluindo as despesas não recorrentes relativas à abertura de capital no montante de R$ 5,5 milhões, foi de R$ 72,6 milhões, um crescimento de 42% em relação ao mesmo período de 2020. A margem EBITDA Ajustado foi de 38,2%, ante 42% um ano antes.

Caixa e Capex

A Brisanet apresentou dívida bruta de R$ 1,1 bilhão em setembro de 2021 direcionado ao investimento na expansão geográfica de sua rede de fibra óptica. A dívida bruta é composta por empréstimos e financiamentos, debêntures, obrigações de arrendamento e operações com derivativos.

Considerando Caixa e aplicações financeiras ao final do período de R$1,3 bilhão, a Companhia apresentou caixa líquido de R$182 milhões, comparado a dívida líquida de R$ 493 milhões ao final de 2020. A entrada de recursos proveniente da Oferta de Ações em julho último é responsável por essa diferença.

Ao longo de 2021, a Brisanet adicionou 866 mil portas, com a expansão para 14 novas cidades e o crescimento contínuo em áreas onde já estava presente. Além disso iluminou mais de 3000 km de backbone, construiu mais de 2000 km de backbone próprio, investiu em quase 400 mini-sites de LTE/4G em vilas/localidades rurais (investimento de aproximadamente R$15 milhões), e adicionou quase 94 mil portas na Agility Telecom.

Esse crescimento está refletido no maior fluxo destinado a investimentos, no valor de R$628 milhões nos primeiros nove meses de 2021, o que representa 120% da receita líquida do ano. Excluindo-se o que está em andamento – imobilizado e importações -, o Capex de ativos em operação foi de R$392 milhões.

FONTE: TeleSíntese
Para mais detalhes, acesse o website da publicação original.