Associação de Crédito Digital apresenta indicação ao Conselho Nacional de Privacidade da ANPD

A Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD) apresentou a indicação da advogada Larissa Galimberti (foto acima) como sua representante para uma das vagas do Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, da ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados).

Dando suporte à ABCD em questões relacionadas à LGPD e ANPD e acompanhando de perto as fintechs de crédito, Larissa foi indicada por ter mais de 18 anos de experiência nacional e internacional na advocacia do setor privado, tendo atuado, de forma relevante, em questões voltadas à privacidade e proteção de dados desde 2003.

Sócia de Pinheiro Neto Advogados, atuou em projetos de estruturação de proteção de dados e privacidade antes mesmo da entrada em vigor da LGPD. Graduada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo – USP, Larissa possui mestrado (LL.M.) em Law, Science and Technology pela Stanford Law School e mestrado em Direito Comercial pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo – USP.

Sua maior atuação em privacidade e proteção de dados se destaca em setores de tecnologia e startups (plataformas de redes sociais, plataformas de software, plataformas de marketplace, plataforma de e-commerce, plataformas de mobilidade, fintechs, agrotechs, entre outras) e setores regulados, como setor financeiro, de meios de pagamento e de cartão (incluindo questões de cibersegurança, Cadastro Positivo e Open Banking).

“O objetivo da ABCD com a indicação é que as questões relacionadas ao mercado de inovação e tecnologia sejam consideradas nas diretrizes e estudos da ANPD, uma vez que se trata de um setor novo, em constante atualização e que pode contribuir para as discussões. Além disso, é um segmento de relação muito estreita com outras regulamentações do mercado financeiro, o que também pode trazer insights importantes para o conselho”, afirma a advogada.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) vem recolhendo indicações da academia, da sociedade civil e do setor empresarial para ocupar os assentos do CNDP. O órgão vai organizar listras tríplices para cada área e enviar para escolha em definitivo da Presidência da República do que terá o lugar garantido. (Com assessoria de imprensa)

FONTE: TeleSíntese
Para mais detalhes, acesse o website da publicação original.