Aplicativos gráficos do Linux chegam ao Windows SubSystem for Linux

Aplicativos gráficos do Linux chegam ao Windows SubSystem for LinuxNa  conferência de desenvolvedores virtuais do Microsoft Build 2020, o CEO Satya Nadella anunciou que o Windows Subsystem for Linux (WSL) 2.0 em breve ofereceria suporte a GUIs e aplicativos Linux. Esse dia está mais perto agora do que nunca. Na recente X.Org Developers Conference (XDC), o desenvolvedor parceiro da Microsoft, Steve Pronovost, revelou que a Microsoft tornou possível executar aplicativos gráficos do Linux dentro do WSL.
Sempre foi possível executar programas gráficos do Linux, como o editor gráfico GIMP, o cliente de e-mail Evolution e o LibreOffice em WSL. Porém, não foi fácil. Você tinha que instalar um servidor de exibição X Window de terceiros, como o VcXsrv Windows X Server no Windows 10 e, em seguida, fazer alguns ajustes com o Windows e o Linux para que funcionassem juntos sem problemas.  O X Window System é a base de quase todas as interfaces gráficas de usuário do Linux.
Agora, a Microsoft portou um servidor de exibição Wayland para WSL. Wayland é o servidor compatível com o X Window mais popular. No WSL2, ele conecta os aplicativos gráficos do Linux por meio de uma conexão RDP (Remote Desktop Protocol) à tela principal do Windows. Isso significa que você pode executar aplicativos Linux e Windows GUI simultaneamente na mesma tela da área de trabalho.

Aplicativos gráficos do Linux chegam ao Windows SubSystem for Linux

Aplicativos gráficos do Linux chegam ao Windows SubSystem for Linux
Pronovost explicou:
WSL essencialmente executa o Linux dentro de uma máquina virtual hospedada pelo Windows e integramos aplicativos (console e agora GUI) de volta ao seu desktop Windows para que você possa executar aplicativos Win32 e Linux dentro de uma experiência unificada. Como o Linux está sendo executado na VM, não podemos executar o driver nativo da GPU que espera acesso direto à GPU (a menos que façamos algo como atribuição discreta de dispositivo e atribuímos uma das GPU host à VM … mas então o host perderia o acesso a essa GPU!). Com GPU-PV [GPU Paravirtualization], podemos essencialmente projetar a GPU host no Linux e fazer com que os processos do Linux e do Windows compartilhem a mesma GPU física sem a necessidade de particionamento fixo de recursos.
Craig Loewen, gerente de programa WSL da Microsoft, acrescentou em um tópico do Twitter que as principais diferenças entre usar um servidor X de terceiros e o servidor Wayland embutido é que: “Você não precisa inicializar ou iniciar o servidor, nós cuidarei disso para você.” Além disso, ele vem com uma “integração adorável com o Windows”, como sombras projetadas e suporte para ícones do Linux.
Loewen também disse que você pode rodar um navegador Linux nele. “Não o testamos extensivamente com um ambiente de desktop completo ainda, pois queremos nos concentrar na execução de aplicativos frequentemente solicitados primeiro, e principalmente IDEs [ambiente de desenvolvimento integrado] para que você possa executá-los em um ambiente Linux completo”, disse ele.
Não fique muito animado com isso ainda, no entanto. Loewen continuou: “Ainda não temos um ETA para o canal beta, no entanto, este trabalho estará disponível em geral para os Insiders tentarem nos próximos meses.”

A integração do Linux com o Windows pela Microsoft já existe há algum tempo

Quatro anos atrás, a Microsoft lançou o WSL, que trouxe o shell do Linux Bash para o Windows 10. Com Bash e WSL, você pode executar a maioria das ferramentas shell do Linux e linguagens de programação populares do Linux.
Com o passar do tempo, o Linux se tornou um item de primeira classe no desktop do Windows. Várias distros Linux, começando com o Ubuntu , foram seguidas por Red Hat Fedora e SUSE Linux Enterprise Desktop (SLED) . Em seguida, a Microsoft substituiu sua camada de tradução WSL, que convertia chamadas do kernel Linux em chamadas do Windows, pelo WSL 2. Essa atualização veio com o próprio kernel do Linux da Microsoft rodando em uma versão fina do hypervisor Hyper-V.
Mais recentemente, começando com o Windows 10 Insider Preview build 20211, os usuários do Windows podem acessar os sistemas de arquivos Linux. Isso inclui acesso a sistemas de arquivos Linux, como ext4, que o Windows não oferece suporte nativo. Isso também significa que, se você inicializar duas vezes o Windows e o Linux com discos diferentes, agora poderá acessar os arquivos do Linux a partir do Windows. Com isso, você pode acessar arquivos Linux do Windows File Explorer e da janela do PowerShell com privilégio administrativo.
No ritmo em que as coisas estão indo, é só esperar a profecia “maluca” de que o Windows 11 pode rodar em cima do Linux ainda pode se tornar realidade! E que o Windows vai se tornar uma mera camada de compatibilidade do Linux. No fim, o open source venceu.

FONTE: Blog SempreUpdate
(Acesse o website do autor da publicação para mais detalhes)